Blog

08
May
2010

Sincronia

O camarada chegou sorrateiramente. Forçou a maçaneta, porém não conseguiu abrir a porta.

Não contara com isso quando planejara essa empreitada.

Precisava que a sala de segurança estivesse destrancada para levar as fitas de vídeo que o incriminavam do roubo que acabara de fazer àquela joalheria.

Precisava pensar, e rápido. Sabia que logo o segurança sairia do banheiro, e ele era um sujeito metódico, sempre olhava seu relógio, vivia em inalterável rotina: todo dia, às três e catorze, escondia-se para fumar, por três minutos e vinte e oito segundos. O invasor conseguira sincronizar seus relógios com muito custo, descobriu que o sujeito tomava café todo dia no mesmo banco da mesma padaria e foi sentar-se a seu lado, espionou o relógio (que ele mostrava muito pouco, enquanto se decidia entre o pão e o copo) e calcular a diferença com o seu, para depois ajustá-lo sem suspeita.

Já deixara passar dois minutos e doze segundos, tinha a chave da loja, entrara, tomara alguns diamantes e tentou entrar na sala. Não podia fazer barulho, não podia arrombá-la.

Correu à rua, tentaria entrar por uma pequena janela, jogou a bolsa primeiro, depois se aventurou: saltou, agarrou-se e esqueirou-se pela janela. Sorria. Tinha sorte, pensava, a rua estava deserta e ninguém lhe notou a presença.

Mas seu tempo ia encurtando-se, apressou-se. Retirou do aparelho a prova de seu crime. Olhou em torno numa procura vã por uma cópia da chave da porta. Pularia a janela na fuga. Porém escorregou. Caiu estatelado no chão, chocado com o barulho que fizera. Atirou-se à porta, tentou forçá-la, puxando com toda sua energia. Ouvia passos: estava perdido, pensava.

A porta se abriu, sem barulho de chave. Ele, em sua ansiedade, distraiu-se e a forçou para o lado errado, estava destrancada.

Ficou estuporado com a surpresa, perdeu-se no tempo, em choque, preso em flagrante. Ao realizar seu plano perfeito, esqueceu-se de que a porta se abria para fora.

Discussão



Portfólio

Blog

13
Dec
2010

Daniel E.

“Meu distúrbio, não diagnosticado pelos mais renomados especialistas, não aceito pelos filósofos e religiosos, torna insuportável a minha vida. Todos à minha volta temem a morte, eu temo o nascimento. Devo explicar a minha situação, porque não tenho amigos que saibam dela e pretendo terminar a minha vida de uma forma que me seja familiar [...]

continue lendo

Trançados