Blog

04
Nov
2007

A Tília

Mais um dia.

Tílio, o aposentado, estava em seu posto de sempre, na rua. Observava as pessoas: suas atitudes, roupas, gestos, conversas, olhares; de algumas deduzia a personalidade, refletia sobre elas e seus valores. Tentava desvendar os mistérios da alma humana.

Tinha certo repúdio por árvores e animais, mas ficava sempre numa alameda cheia de tílias, irritava-se com suas folhas secas caindo a seus pés. Era pior quando o vento as fazia roçar em seu corpo durante a queda! Não suportava quando isso acontecia, e praguejava muito!

Era um desses velhos ranzinzas, com muito assunto, mas pouca disposição para conversar. Raramente se dirigia a alguém e normalmente era para julgar, aconselhar com petulância, ou condenar: tantas vezes quis dar uma bofetada em alguma criança traquinas! Mas seu chamado sempre foi ignorado, quando muito lhe dirigiam um olhar apressado e logo desviavam, pisando nas folhas secas de tília, com aquele detestável crec-crec. Assim, estava sempre sozinho, ali para julgar qualquer transeunte, sob chuva e sol, no frio e no calor.

Não tinha noção de tempo, perdia-se nele entretido com suas observações sobre os outros; não tinha posses; não tinha mais amigos ou família, há muito não via um rosto familiar de sua época amigável e parecia fazer questão de não conhecer gente nova. Era rígido consigo mesmo, não se permitia pensamentos depravados, não se deixava desviar a atenção do julgamento dos outros. Os outros: seus eternos réus.

Mas a Eternidade se manifesta fora do tempo, e não era neste campo que Tílio observava. Seu olhar crítico esqueceu-se de julgar a si mesmo e colocar-se em seu lugar, e, como ironia presenteada como vingança pela própria Eternidade, um dia todo seu mundo e seu julgamento caíram. As dríades das tílias fizeram cair as folhas de toda a alameda naquele dia. Eternidade, princesa do além-tempo, que jamais poderia entrar nos reinos do príncipe Tempo, enviou seu carro carregado com aquilo que faria cair a torre onde se passava o julgamento de Tílio. Nele veio sua Morte, não para arrebatá-lo, mas para domar sua alma, para enforcar a Arrogância que lhe tomou e atirá-la entre o sol e a lua, fazer brilhar uma nova estrela na alameda dos loucos, dos pioneiros e dos amantes. Tílio, o príncipe rabugento daquele mundo, perder-se-ia no seu lugar de fantasias e excessos; tornar-se-ia andarilho perdido, viveria pela sorte num mundo de sombras; e, ali, de olhos vendados, encontraria de novo seu equilíbrio, ou cairia na loucura, de onde nunca voltaria.

Uma criança se aproximou com um cachorro, pequeno e tão doce. Pareciam dois seres do outro mundo, levando notícias e mensagens a um grande homem. Tílio não resmungou. Vinham em sua direção, e isso o excitou, o extasiou: enfim, companhia!

O cachorro tomou a frente, era branco e suas orelhas amarelas, só elas não eram brancas naquele animal que dançava, não corria.

Cheirou os pés de Tílio, abanava o rabo. Ele o notou!

Como era bom ser notado, ser percebido. Até se sentia amado, aquela alegria do cão não podia dar-lhe outra interpretação. O animal olhou para o alto, para ver Tílio inteiro! A felicidade do velho foi tanta que sentiu seu coração se derretendo até seus pés ficarem úmidos…

– Beni! Não faça xixi nas árvores! – O garoto gritou. Para o cachorro. Tílio se  arrepiou. O céu estava nublado; mas o sol aparecia, baixo, perto do horizonte, caindo lentamente para se pôr, irradiando uma luz cruel e mórbida, sarcástica, mostrando a Tílio a urina do cachorro, que brilhava em seus pés.

“Não faça xixi nas árvores!” Mas o cão urinou nele! Tílio teve medo. O menino continuou seu caminho sem nem lhe pedir desculpas, o cachorro seguiu correndo pela alameda. Ele não conseguia abaixar-se para limpar os pés.

O vento do entardecer fez cair mais folhas perto dele, elas o irritaram mais, mas não resmungou, notou que as pessoas passavam por ele sem o olhar: ele sabia que costumavam observar e rir às escondidas quando alguém passava molhado por ali, como ele devia estar, mas não dele; e não era respeito, era indiferença. Não sentiam graça ou indignação; mal olhavam, aquilo lhes era natural.

Tentou pedir ajuda, mas o ignoraram.

Então começou a pensar sobre como as coisas mudaram. Lembrou-se quando era um respeitado homem em sua vizinhança, que teve família um dia, mas só tinha reminiscências. Buscou em sua memória, mas nada encontrou por toda aquela noite. Perdeu-se no tempo, de novo.

E, ao amanhecer, viu uma movimentação estranha na rua: bombeiros com serras para cortar árvores preparavam-se para cortar alguma tília. Ficou realmente feliz com isso, uma dessas árvores-despenca-folhas a menos para importuná-lo. Mas só cortavam árvores doentes, ele saberia reconhecer uma, mas não a encontrou. As serras foram ligadas, o perímetro de segurança montado. Começaram a cortar.

Tílio se lembrou.

Sua família vivia bem: seu filho trabalhava e sua esposa era uma boa avó, fazia doces aos fins de semana e às vezes sentia falta dele; mas viviam bem. Ele tivera um infarto há muito tempo e morrera.

Viu então como as pessoas se vestiam diferente, como o mundo era outro, e os anos se passaram. Ele renascera e era árvore. Só se deu conta disso quando morria de novo.

Só tinha uma lasca de tempo até ser tomado, novamente, pelos braços da Eternidade, entre os mortos. Apenas este momento para sentir o mundo como árvore. Sua arrogância o cegara e nunca admitiu sua condição.

O primeiro galho caiu.

(revisado em 15 de setembro, 2010)

Discussão

Thiago Machbrew Machado diz:

Eu tive o prazer de ler este texto ano passado, eu acredito. Tanto tempo passou e ainda gosto e me identifico comessas linhas.

Bravo, bravo, meu amigo.

ph diz:

belo texto! =P
extraio da leitura:
arrogância é não (saber) sentir.

e como faço (pra saber)?
acho que criei raízes…

Cadu Garcia diz:

[…] num dos arcanos maiores, é uma idéia bem interessante, e eu cheguei a usar, quando escrevi A Tília usando três cartas que tirei do tarot de arcanos maiores que vêm com o […]



Portfólio

Blog

13
Dec
2010

Daniel E.

“Meu distúrbio, não diagnosticado pelos mais renomados especialistas, não aceito pelos filósofos e religiosos, torna insuportável a minha vida. Todos à minha volta temem a morte, eu temo o nascimento. Devo explicar a minha situação, porque não tenho amigos que saibam dela e pretendo terminar a minha vida de uma forma que me seja familiar […]

continue lendo

Trançados